Como escolhemos nossos ídolos

Segundo estudo do Atlas do Esporte no Brasil, feito em 2003, mais de 30 milhões de brasileiros jogam futebol pelo menos uma vez por semana. Sabe quantos de nós nada semanalmente? Pouco mais de 11 milhões (lembrando que a costa marítima brasileira tem 7.400 Km). Sim, é um orgulho sermos o “país do futebol”, mas seria ainda melhor se não fossemos o “país do futebol e só”. Se analisarmos a quantidade de craques que formamos nos terrões do Brasil, tendo o futebol como preferência nacional, imagine o número de ídolos que ganharíamos se valorizássemos mais outros esportes. Quantos Cesar Cielos teríamos nos emocionando em pódios, quebrando recordes e nos fazendo crer que, mesmo por alguns instantes, somos os melhores? Porque é isso que o esporte e seus ídolos fazem: nos inspiram e emocionam.

Infelizmente, sob o título de “país do futebol”, com nosso orgulho cego para tudo de errado que este mesmo orgulho permite e alimenta, acabamos reféns de ídolos que há muito tempo já se mostraram simples edsons e não pelés. Adriano fica no banco e o chamamos “Imperador”. E o César que de fato nos traz ouros, orgulho e inspiração? Este esquecemos no instante que o jornal acaba, a novela começa e a vida volta ao seu estado de ordinária.

Anúncios