Sofrer por prazer

Que mania é essa de torcer para a zebra, hein? Sem o nosso favorito em campo, não pensamos duas vezes ao acolher o “coitadinho” como razão de nossos gritos e expectativas. Se há um “candidato ao título”, então, aí é que torcemos com gosto para o azarão!

Um estudo americano, de 1991, colocou o seguinte cenário para mais de 100 universitários: dois times, A e B, se enfrentariam em uma competição envolvendo sete jogos de um esporte não identificado, sendo o time A o favorito. Resultado: 81% dos estudantes escolheram torcer para o time B. Então pediu-se que os universitários imaginassem que o time B de alguma forma conseguiu vencer os primeiros três jogos. O que aconteceu? Metade dos que decidiram torcer para o time B mudaram de ideia, passando a apoiar o time A.

A explicação científica para o famoso “gostar de sofrer” é a seguinte: o torcedor, considerado um hedonista pelos pesquisadores, sempre quer sentir o máximo de prazer possível. Assim, com o time do coração fora da jogada, escolherá torcer para a opção que mais provavelmente lhe garantirá fortes emoções e até, quem sabe, o êxtase da superação. Por isso, entre uma partida acirrada e um jogo dominado por um favorito (um que de fato honre a fama), o torcedor opta por apoiar a zebra. Se ela perder, tanto faz, “não é meu time mesmo”. Mas, se ela vencer… haja coração!

Hedonismo recompensado

No jogo de hoje entre o Internacional, do Brasil, e o Mazembe, da República Democrática do Congo, a zebra levou a melhor – e com dois golaços. O time brasileiro, favoritíssimo a chegar na final do Mundial de Clubes, nem sequer balançou a rede do divertido goleiro Kidiaba. Agora é esperar a partida entre a italiana Inter de Milão e o desconhecido – porém empolgado – Seongnam, da Coreia do Sul. Preciso dizer quem é a zebra desde jogo?

Anúncios