Sofrer por prazer

Que mania é essa de torcer para a zebra, hein? Sem o nosso favorito em campo, não pensamos duas vezes ao acolher o “coitadinho” como razão de nossos gritos e expectativas. Se há um “candidato ao título”, então, aí é que torcemos com gosto para o azarão!

Um estudo americano, de 1991, colocou o seguinte cenário para mais de 100 universitários: dois times, A e B, se enfrentariam em uma competição envolvendo sete jogos de um esporte não identificado, sendo o time A o favorito. Resultado: 81% dos estudantes escolheram torcer para o time B. Então pediu-se que os universitários imaginassem que o time B de alguma forma conseguiu vencer os primeiros três jogos. O que aconteceu? Metade dos que decidiram torcer para o time B mudaram de ideia, passando a apoiar o time A.

A explicação científica para o famoso “gostar de sofrer” é a seguinte: o torcedor, considerado um hedonista pelos pesquisadores, sempre quer sentir o máximo de prazer possível. Assim, com o time do coração fora da jogada, escolherá torcer para a opção que mais provavelmente lhe garantirá fortes emoções e até, quem sabe, o êxtase da superação. Por isso, entre uma partida acirrada e um jogo dominado por um favorito (um que de fato honre a fama), o torcedor opta por apoiar a zebra. Se ela perder, tanto faz, “não é meu time mesmo”. Mas, se ela vencer… haja coração!

Hedonismo recompensado

No jogo de hoje entre o Internacional, do Brasil, e o Mazembe, da República Democrática do Congo, a zebra levou a melhor – e com dois golaços. O time brasileiro, favoritíssimo a chegar na final do Mundial de Clubes, nem sequer balançou a rede do divertido goleiro Kidiaba. Agora é esperar a partida entre a italiana Inter de Milão e o desconhecido – porém empolgado – Seongnam, da Coreia do Sul. Preciso dizer quem é a zebra desde jogo?

Anúncios

Debate ou blá-blá-blá?

Não tem jeito: se há um grupo de homens reunido, o assunto futebol
inevitavelmente vira pauta da conversa. Aliás, se o ambiente for
favorável (pense em um bar), bastam dois representantes do sexo
masculino para temas como a validade do Mundial de Clubes conquistado
pelo Corinthians em 2000 ou a qualidade do time de Dunga virarem debates
fervorosos.
Para quem está no bate-papo, o assunto parece a grande discussão do
momento, com resoluções capazes de mudar o mundo. Mas, para os que
apenas observam, em especial se a pessoa não é lá muito fã do esporte
(pense em grande parte das mulheres), tais falas soam como repetidos
blá-blá-blás em entonações variadas. Para este mero espectador, que
inevitavelmente enfrentará perguntas como “lembra disso?” ou “não
concorda comigo?” e para as quais não tem ideia da resposta, minha dica
é: saia de fininho. Ou então aprenda quem, afinal, é esse tal de André.

Mulheres e futebol
Se você de fato deseja a companhia de uma mulher (deseja mais do que
provar ao amigo que o Neymar deveria ter ido à Copa), mas a conversa da
galera debandou para o futebol, procure:

1- pelo menos situar a moça. Por exemplo, não diga só “Mourinho”, mas “Mourinho, técnico do Real Madrid, onde joga o C. Ronaldo”.

2- jamais perguntar se ela lembra de um lance (a gente não lembra!).

3- mudar de assunto.